Uma família estranha,
surpresa é tamanha,
são cheios de artimanha,
os Addams vêm ai.

Parecem de outro mundo,
mas têm amor profundo,
não param um segundo,
os Addams vêm aí…

Porém não tenha medo,
aqui tem um segredo,
é tudo um brinquedo,
Os… Addams… vêm … aí…(insira sons de estalar de dedos aqui).

Em 1930, o cartunista Charles Addams, criou a família mais mórbida e engraçada do mundo, que viraria um sucesso nas décadas seguintes com várias adaptações, como filmes, séries e animações, sendo essa com uma legião de fãs no Brasil até os dias de hoje (de acordo com o CTPK).

Gomez, Morticia, Wandinha, Feio, Tio Chico, Tropeço, Vovó Addams e é claro, o Mãozinha, fizeram parte da manhã de sábado das TVs brasileiras. Mas o que isso tem a ver com jogos de tabuleiro? Se você quiser mesmo saber, pegue seu caixão, chame seu primo Itt, pq hoje vamos falar sobre Gloom: Um Jogo Terrivelmente Bom.

“O mundo de Gloom é um lugar triste e resignado. O céu é cinza, o chá é frio, uma nova tragédia está logo na esquina. Dívida, doença, ataque cardíaco, e pacotes de raivosos ratos comedores de carne, apenas quando parece que as coisas não podem ficar piores, elas ficam. Mas alguns dizem que aquela recompensa após a morte é baseada na tristeza suportada em vida. Se é assim, talvez haja esperança – se não nesse mundo, então na paz que já no além.”

Em Gloom, cada jogador representa uma família bem macabra, com uma missão bem simples: Matar os membros das próprias famílias da forma mais macabra possível. Mas não basta apenas matar, você tem a obrigação de fazê-los sofrer um bocado antes. Seja por ataque de abelhas furiosas, por cair em um bueiro aberto, ou até mesmo de amor não correspondido, o sofrimento aqui é essencial, pois quanto mais seu personagem sofrer menos pontos você ganha, e aqui meus amigos, quem tem menos pontos vence.

Mas não pense que assassinar os seus familiares será tão fácil, pois a qualquer momento, seus oponentes podem jogar cartas que podem trazer felicidades aos infortunados moradores de Gloom, fazendo com que os mesmos ganhem pontos positivos, o que é claro, atrapalha sua tentativa de trazer dor e sofrimento aos seus entes queridos.

Gloom é o famoso grande jogo, em uma caixa pequena, e bota pequena nisso. Pois a caixa tem a espessura de um dedo adulto “normal”. Ainda falando sobre o jogo em si, o mesmo é composto por cartas de plástico transparente, já que para trazer a tribulação aos seus entes tão queridos, você posiciona as cartas uma sobre as outras, somando ou subtraindo os pontos que contém nas cartas, e usando seus beneficios ou maleficios. Quando achar que alguém já sofreu o suficiente, você o manda para o além, para garantir seus pontinhos. Lembrando que matar um familiar só é possível como sua primeira ação, a não ser que, você possua uma carta que permita você o fazer em outra ordem.

Gloom foi um jogo que me surpreendeu, não só pela atmosfera gótica, mas também sobre como os infortúnios podem ser tão engraçados. É claríssima as fortes referências ao trabalho de Charles Addams, e isso é muito legal para este que vos fala, ainda mais com um remake cinematográfico vindo por aí.

Então é isso meus Nobres Macabros, eu vou ficando por aqui, mas antes, quero saber quem de vocês já jogou este joguinho sensacional. eu fico por aqui, um abraço, e até a próxima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *